Follow by Email

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

QUANDO DEUS ESCONDE SEU ROSTO


A ausência da presença de Deus é um sentimento que todos os cristãos sentirão, não importa em que momento da vida terrena. Quando Deus retira de nós a percepção da sua presença é o modo da Bíblia expressar que: Deus ocultou a sua face. O termo grego “proswpon” de acordo com algumas versões é traduzido de três formas: “rosto”, “face” ou “presença”. “Verdadeiramente, tu és o Deus que te ocultas, o Deus de Israel, o Salvador”. Isaias 45: l5 (ARC). “Até quando, Senhor? Para sempre te esquecerás de mim? Até quando esconderás de mim o teu rosto”? Salmo 13: 1 (ARC). “Por que escondes o teu rosto e esqueces o nosso sofrimento e a nossa aflição”? Salmo 44: 24 (ARC). Essa afirmação expressa somente um sentimento, não uma realidade, algo muito subjetivo, não objetivo. Subjetivo: é quando nós só sentimos e objetivo: é quando nos mostra de fato a realidade. À verdade é que de fato Deus realmente jamais nos abandona. “Ninguém conseguirá resistir a você todos os dias da tua vida. Assim como estive com Moisés, estarei com você; nunca o deixarei, nunca o abandonarei” Josué 1: 5. Não tenham medo Jesus disse assim: “E eis que estou com vocês todos os dias até à consumação dos séculos”. Mateus 28: 20. Como Deus retira de nós a percepção da sua presença? Precisamos compreender que: independente de nós sentirmos ou não a sua presença, Deus está e estará sempre ao nosso lado. A ocultação da sua face é só uma aparente retirada da sua presença. Ele parece ter desaparecido quando nós não o sentimos, isso nos leva a reviver a experiência do salmista. “ De noite indago o meu íntimo, e o meu espírito prescruta. Rejeita o Senhor para sempre? Acaso não torna a ser propício? Cessou perpetuamente a sua graça? Caducou a sua promessa para todas as gerações? Esqueceu-se de ser benigno? Ou, na sua ira, terá Ele reprimido as suas misericórdias?” Salmo 77: 6 ao 9. Esse tema é importante por muitos motivos, dos quais destacamos alguns aqui relacionados: (1) Precisamos saber a relevância que isso tem para a teologia, pois há um princípio coerente, porém não revelado quanto à ocultação da face de Deus. (2) Constitui-se um fenômeno comum sentido pelos cristãos em algum momento da jornada. (3) Devemos saber por que Deus esconde a sua face. Será imaginação nossa ou falta de fé? (4) Será um ato deliberado da parte de Deus? (5) Há como antecipar essa situação? ela pode ser evitada? (6) Novos cristãos enfrentam essa situação inadvertidamente; como podemos ajudá-los? Para distinguirmos quando a face de Deus foi retirada de nós, precisamos também sentir a percepção da sua presença se revelando a nós. Quando a face de Deus se manifesta realmente a nós, é como ter Jesus bem juntinho realizando feitos como pôr exemplo: “E o poder do Senhor estava com ele para curar os doentes”. Lucas 5: 17. Também quando o poder do Espírito Santo é real como aconteceu em Pentecostes. “Então os que lhe aceitaram a Palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas”. Atos 2: 41. Deus não avisa quando vai revelar a sua face, assim como também não o faz quando oculta o seu rosto. A revelação da sua face pode acontecer em várias situações; quando cultuamos na igreja, durante a pregação, quando estamos orando, lendo as Escrituras ou quando compartilhamos o evangelho as outras pessoas e sentimos uma resposta positiva. A ocultação ocorre quando nos sentimos abandonados por Deus, aquele que ontem parecia tão real e hoje não responde nem mesmo quando lhe suplicamos. Logo dois sintomas se apresentam rapidamente: a incredulidade que aparece com certeza e a carnalidade começa a se apoderar de nós. Se Deus pelo menos nos avisasse. Olhe na segunda feira à tarde por volta das duas horas você notará a minha ausência. Mas simplesmente Ele desaparece repentinamente. Você está tão cheio de expectativa e de repente o futuro se torna tão incerto. A alguma razão para isso? Mesmo que haja muitas razões, Deus não precisa de nenhuma delas para nós avisar ele somente age sem revelar os motivos. Pode ser por causa dos nossos pecados? Pode; não devemos nos surpreender se Deus ocultar-nos a sua face devido aos nossos pecados, Ele mesmo já nos advertiu dessa possibilidade. “Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça”. Isaias 59: 2. Qual é realmente o propósito de Deus ao ocultar o seu rosto? Deus quer mostrar-nos exatamente como somos ou como estamos. Quando estamos cheios da alegria do Senhor, Deus está conosco. Mas ao ocultar-nos a sua face nós descobriremos como estamos espiritualmente. Às vezes Deus nos abandona de repente para podemos avaliar o quanto nós estamos progredindo espiritualmente. Ele não nos leva de A para Z, mais de A para B, de B para C, de C para D etc. Deus mesmo sabendo os resultados, tem todo o direito de nos testar. Isto manifestará os segredos do nosso coração originando duas atitudes. (1) Talvez nos sintamos envergonhados por não termos sidos aprovados no teste e reclamamos ou desistimos. (2) Talvez alegres possamos dizer: Bendita idéia e agradável surpresa dignificamos a Deus por esta prova inesperada. Apesar de tudo, Deus ao esconder a sua face pode estar nos provando para alcançar dois propósitos; (1) para nos motivar e (2) para produzirmos resultados positivos. As provas são predestinadas e é um dos meios pelos quais Deus usa para nos lapidar. “Para que ninguém seja abalado por essas tribulações. Vocês sabem muito bem que fomos designados para isso”. 1Tessalonicenses 3; 3. “Pois a vocês foi dado o privilégio de não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por Ele”. Filipenses 1: 29. Porém toda provação tem um tempo determinado e sempre ao terminar produz frutos de alegria. .“Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados”. Hebreus 12: 11. A disciplina e o castigo também são aprendizagens forçadas e estão na essência da ocultação da face de Deus. “Pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho”. Hebreus 12: 6. Deus nos obriga a aprender para podermos produzir “frutos de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados”. Hebreus 12: 11. Todo cristão pode suportar quase tudo, contanto que possa estar vendo o rosto de Deus, porém a ocultação da sua face torna a correção algo difícil de suportar. Mas a correção só se torna correção quando percebemos que o desagradamos, como somos tentados a descrer ou até estimulados a questionar a Palavra de Deus. A nossa cumplicidade com Deus aponta a direção que devemos tomar quando Deus esconder a sua face. A primeira direção a tomar é composta de duas atitudes: (1) “Submeta-se à vontade de Deus e resista ao diabo” Tiago 4: 17. (2) Buscar a face de Deus como nunca. “Buscai o Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente”. 1Crônicas 16: 11. Se nos aborrecermos quando Deus oculta a sua face, já somos dignos de pena e significa que fracassamos no teste. Isso infelizmente acontece com alguns; mas somente com aqueles que não avançam além deste ponto. Mas se buscarmos a face de Deus mais do que nunca, estaremos fazendo exatamente o que Deus espera de nós, pois Deus só corrige a quem ama e seu propósito é ver o quanto o amamos. (João 2l: 15 a 17). Em quais condições nos encontraremos quando inesperadamente a presença de Deus for novamente sentida através de uma outra manifestação da sua face? Nos encontraremos louvando a Deus, enaltecendo-o e não duvidando dele? Ou nos encontraremos murmurando, questionando ou vendo falhas? Se o começo da ocultação da face de Deus representa um teste severo o fim da ocultação da face de Deus representa um teste ainda maior. Quando Deus oculta a sua face diante de um crente, essa pessoa experimenta um dos tempos mais obscuros e inigualáveis. Sem aviso algum a percepção da presença de Deus e afastada embora muitas passagens bíblicas nos assegurem de que a realidade é diferente, mas esse é um tempo que Deus está agindo dessa maneira para estimular a nossa fé. Durante quarenta dias Jesus refletiu a tendência do Pai, os discípulos nunca sabiam quando Jesus se mostraria; para eles parecia que Ele estava mais ausente do que presente.\ QUANDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário