Follow by Email

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

FALSO OU VERDADEIRO?

TITULO: FALSO OU VERDADEIRO ?
TEXTO:

“Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos”. 1Jo. 2: 19.

INTRODUÇÃO:

No mundo há tantas coisas falsas idênticas às verdadeiras,que são difíceis de distinguir apenas pelo aspecto visual. Quem de nós, de sã consciência pode afirmar que nunca se enganou ao fazer um juízo, formar uma opinião ou emitir um parecer e depois ter de reconhecer que se enganou? “Ás aparências enganam,” é um provérbio muito popular usado quando nós somos traídos pelas nossas próprias avaliações.
Atualmente as evoluções sociais no campo tecnológico, científico e literário trouxeram ao mundo a chamada globalização. Esse fenômeno força o ser humano a uma desenfreada busca para inserir-se neste novo contexto, mesmo que para isso, utilizem artifícios falaciosos na arte da comunicar e comportamentos tão idênticos aos verdadeiros que conseguem enganar a muitos.
A religião não está fora deste contexto da globalização e nela também se encontram imitações tão perfeitas que parecem verdadeiras, mas que não passam de falsificações.
Em busca do novo, muitos se introduzem no cristianismo e aparentam uma vida cristã. As pessoas são cristãs, os ambientes que os cercam são cristãos e por isso elas também supostamente o são.
Não quero que esta mensagem roube a certeza da salvação de ninguém que tenha no coração a convicção da salvação pelo testemunho do Espírito Santo de Deus. Além disso, estou convencido de que um cristão realmente renascido espiritualmente não pode se perder. Mas, também não quero que alguém confie numa falsa segurança, em algo que não existe interiormente, só exteriormente, e assim possa não só reconhecer, mais compreender, que ser cristão é algo que vai muito além de uma aparente imitação do modo de viver das outras pessoas.

DESENVOLVIMENTO

A Bíblia não esconde que além do cristianismo verdadeiro, onde fazem parte os que foram renascidos da “água e do espírito” há também um cristianismo aparente, formado por pseudo-cristãos que podem até terem sido batizados e aparentarem estar ligados a Jesus, mas realmente não criaram raízes N’Ele, isto é; não estão enraizados N’Ele, é não vivem N’Ele e nem por Ele. Esses, ainda que pareçam legítimos, não passam de imitação.
Existe um texto muito conhecido na Bíblia para distinguir aqueles que estão inseridos nesta globalização religiosa sem nenhum propósito verdadeiro.
O próprio Senhor Jesus advertiu sobre a confissão que tem um falso conteúdo e não está de acordo com o que vai no coração de um verdadeiro cristão. ”Nem todo o que me diz: Senhor! Senhor!, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia Senhor! Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi abertamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim vós que praticais a iniqüidade”. Mt. 7: 21-23.
Essa afirmação do Senhor Jesus nos esclarece quatro pontos básicos sobre a salvação: Existem duas coisas que são insuficientes para que alguém seja salvo e duas que são imprescindíveis para que alguém seja salvo.
As duas coisas insuficientes para a salvação são: (1) Primeiro: A simples confissão “Senhor, Senhor”, não salva ninguém porque isso não significa que Ele é Senhor daquele que faz a confissão. Em Lucas 6: 46 Jesus diz: “E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazes o que digo”? Jesus só pode ser o Senhor daqueles que fazem a sua vontade. Neste versículo está claro que Jesus está contestando aqueles que o estão chamando de Senhor e não lhe obedecem. (2) Segundo: A prática de boas obras também não salva ninguém. “Porque pela graça sois salvos mediante a fé; e isso não vem de vós é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”. Rm. 2: 8-9. Como a salvação não é pelas obras, por tanto, as obras praticadas em nome de Jesus não são suficientes para a salvação eterna. Não adianta dizer Jesus: eu fiz isso ou aquilo no Teu nome. Quantos supostos “cristãos,”realizam atos cristãos sem pertencerem a Cristo! É assustador no fim Jesus condenar as ações dessas pessoas como sendo iníquas: “Apartai-vos de mim, os que praticais iniqüidade”. Mt. 7: 23.
As boas obras só são aceitas por Jesus, depois da pessoa já salva, isto é: quando recebemos a Ele como Senhor e Salvador. Obras; só unicamente como consequência de uma pessoa enraizada N’Ele já salva por Ele e que já vive através D’Ele.
Agora as duas coisas imprescindíveis para a salvação são: (1) Primeiro: Precisamos fazer a vontade de Deus. Fazer a vontade de Deus, não é realizar boas ações, pequenas ou grandes, mas crer em Jesus Cristo, Os discípulos perguntaram a Jesus: “ Que faremos para realizar as obras de Deus? Respondeu-lhes Jesus: A obra de Deus é esta, que creiais naquele que por Ele foi enviado. Jo. 6: 28,29. Quando, nos cremos em Jesus passamos a agir como uma pessoa enraizada n’Ele, obedecendo a sua vontade, assim somos aceitas por Ele e a obediência se torna uma atitude natural, não forçada. Entregar sua vida a Jesus é obedecer-lhe por amor e não de palavras. “Esse povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens”. Mt. 15: 8,9. Os judeus não queriam crer em Jesus Cristo e, assim, aceitar a misericórdia que receberiam por meio D’Ele. Pensavam que entrariam no céu sem Ele, e que Deus reconheceria suas obras e lhes permitiriam entrar. Nesse ponto, Jesus contrariou os seus planos, pois eles teriam que aceitar a vontade de Deus, crerem em seu Filho e reconhecerem sua própria falência espiritual se quizessem serem salvos. Pseudo-cristãos nascidos em ambiente cristão pensam que irão para o céu por meio de obras cristãs. Quando contestamos que as nossas obras são inaceitáveis aos olhos de Deus, reagem de forma irritada parecendo que não precisam pessoalmente de Jesus.
Só crendo em Jesus em espírito e em verdade estaremos em obediência realizando a vontade de Deus. (2) Segundo: Precisamos ser conhecidos por Deus. Não é suficiente crer em Jesus de forma superficial, reconhecê-lo de nome só até certo ponto. Tem que haver um encontro pessoal com Ele. Eu posso dizer: “Conheço o presidente do Brasil”, mas só de nome, só de suas aparições na mídia, isso valeria alguma coisa? Será que ele me conhece? É claro que não, porém, se eu fosse convidado por ele, o conheceria pessoalmente.
O Senhor Jesus convida cada ser humano a conhecê-lo de forma pessoal e avaliar o peso de quem vive para o mundo em comparação do que representa entregar-se a Ele. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei”. Mt. 11: 28. Quem recebe esse convite para se achegar a Ele, o aceitar em seu coração, em sua vida, crendo no seu nome,ainda que,com todos os seus pecados, esse será acolhido por Ele e perdoados serão os seus pecados. Esse torna-se filho de Deus passando a fazer a sua vontade. Quem faz isso reconheceu o Pai e o Filho de Deus e entrará no reino do céu. “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. Jo. 17: 3.
Quem com sua boca confessa ser cristão, mas não pratica o cristianismo no dia a dia, obedecendo a palavra de Deus, precisa refletir na possibilidade de estar enganando a si mesmo.
Jesus disse aos seus próprios discípulos que O seguiam: “Contudo, há descrentes entre vós”. “Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair”. Jo.6: 64. De acordo com Hebreus 6: 4-6, há pessoas que foram “iluminadas”, que “provaram o dom celestial” e até “se tornaram participantes do Espírito Santo” e “ainda assim caíram”. Por que caíram? Supomos nós que caíram por três motivos.
O primeiro motivo: porque foram iluminadas por Jesus, mas elas mesmas jamais se tornaram luz. A luz de Deus pode se refletir em mim, então eu estou iluminado, mas é preciso que eu mesmo seja luz para poder iluminar os outros. Jesus disse aos escribas e fariseus: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, pelo contrário terá a luz da vida”. Jo. 8: l2. Já aos seus discípulos Ele disse: “Vós sois a luz do mundo”. Mt.5: 14ª. Então quando nós recebemos da luz de Jesus nós também nos tornamos luz e não apenas reflexos de luz, se não passarmos a própria luz de Cristo aos outros como os povos também se tornarão luz para os demais.
O segundo motivo: porque provaram de Jesus, o verdadeiro dom celestial de Deus, mais não o aceitaram realmente. Eu posso sentir o cheiro do pão e até provar do pão, mas precisa acontecer mais: preciso querer, e buscar esse pão mais e mais para estar sempre alimentado. Não basta provar de Jesus, ou seja, experimentá-lo. Precisamos aceitá-lo e buscá-lo para que Ele sempre esteja em nós. Em João 6: 57 Jesus diz assim: “Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim quem de mim se alimenta também viverá por mim”. Como um cristão verdadeiramente convertido Paulo disse: “Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo. Logo já não sou eu quem vive, mais Cristo vive em mim” Gl. 2: 19-20ª.
O terceiro motivo: porque participaram do efeito dos dons espirituais, mas nunca receberam o Espírito Santo pessoalmente. Ao ler a Palavra de Deus, ao freqüentar os cultos, eu posso participar do efeito do Espírito Santo. Mas isso não é o suficiente. É preciso que haja uma renovação espiritual (mudança) real em mim, sentir-se uma outra pessoa em todo o meu modo de viver.
Às vezes, algumas pessoas quando contestadas mediante ao seu modo de agir, responde: “Meus pais são cristãos” ou “Minha família é cristã” ou ainda “Eu nasci num lar cristão”. Wilhelm Busci fez uma citação engraçada que diz o seguinte: Se alguém nasce numa garagem, isso não significa que seja um automóvel. Quando alguém nasce numa família cristã, não quer dizer que isso o torne um cristão. Enganam-se todos os que pensam que são cristãos sem praticar o verdadeiro cristianismo.
Jesus disse a Pedro: “Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos”. Lc. 22: 32. Por um lado o Senhor confirmou a fé de Pedro, pois rogou por ela. Por outro lado Ele falou da necessidade dele realmente se converter futuramente. Mais tarde quando ele se converteu ele escreveu: “Bendito o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros”. 1Pe. 1: 3-4. Pedro mostra que a regeneração é uma obra da misericórdia de Deus, e que nós fomos novamente gerados pela ressurreição de Jesus Cristo dos mortos, para uma herança incorruptível e incontaminável.
O escritor da carta aos Hebreus afirma que os cristãos verdadeiramente santificados são aperfeiçoados para sempre pelo sacrifício de Jesus. “Porque com uma só oblação (um só sacrifício) aperfeiçoou para sempre os que são santificados” Hb. 10: 14. O verdadeiro cristão que foi santificado pelo sacrifício de Jesus não tem como não ser aperfeiçoado e aperfeiçoado para sempre, porque a Palavra de Deus é fiel e verdadeira.
Quem carrega em si o testemunho do Espírito Santo a respeito de seu novo nascimento como diz Paulo em (Rm. 8: 16). “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”; deve alegrar-se com essa certeza e agradecer a Jesus Cristo por ela. Mas quem ainda não possui esta certeza inconfundível testificada pelo Espírito Santo, e pensa ser um cristão, cai no terrível engano da suficiência pessoal. Qualquer pessoa que buscar a salvação de coração pode ter a certeza que a encontrará, é só converter-se da forma correta a Jesus Cristo. Todos nós fomos dados por Deus Pai a Cristo e para que Ele nos receba basta que; creiamos N’Ele em espírito e em verdade, e o recebamos como nosso Senhor e Salvador, com um firme propósito de ser-lhe fiel, obedecendo, guardando e amando a sua Palavra. Ele nos receberá para sempre. “Todo o que o Pai me dá vira a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma lançarei fora”. Jo. 6: 37. Esta é uma promessa de Jesus. O que você está esperando?